Torneio do Povo 1973 » História da Fase decisiva

Fase Decisiva do Torneio

20/02 - Corinthians comunica ao Coritiba que Aladim não poderá ser utilizado na partida entre ambos, por ser o ponta-esquerda atleta da equipe paulista. Esse recurso era comum na época, usado para fragilizar as equipes adversárias.
21/02 - Coritiba x Corinthians (em Curitiba)
21/02 - CORITIBA 1 X 0 CORINTHIANS
Local: Belfort Duarte - PR
Árbitro: José Aldo Pereira (RJ)
Gols: Oberdã aos 43´ do 2º tempo
Renda: Cr$ 149.649,00 para 18.965 pagantes
CORITIBA: Jairo; Orlando, Pescuma, Oberdan e Nilo; Hidalgo e Negreiros; Sérgio Roberto (Reinaldinho), Leocádio, Zé Roberto e Cláudio. Treinador: Tim.
CORINTHIANS: Ado; Zé Maria, Vágner, Luís Carlos e Miranda; Tião e Adãozinho (Nélson Lopes); Vaguinho, Mirandinha (Tião Marino), Lance e Marco Antônio. Treinador: Duque
Detalhes:
· Corinthians veio retrancado, para empatar e, como na partida da 1ª fase, usou de violência para tentar parar os atacantes coritibanos.
· Miranda, que na partida anterior havia machucado Tião Abatiá, dessa vez cometeu falta violenta em Reinaldinho. Orlando cobrou na cabeça de Oberdã, que assinalou o gol da vitória faltando 2 minutos para encerrar a partida.
· Os destaques foram Oberdã e Hidalgo.
· Já que Aladim não podia jogar, Tim escalou o zagueiro Cláudio de ponta-esquerda, para segurar as subidas constantes do lateral paulista Zé Maria. E a tática deu certo.
· Dos atletas do Corinthians, mais tarde vestiram a camisa do alviverde: Luis Carlos (1977), Lance (1980), Tião (1976), Adãozinho (1980) e Nélson Lopes (1974).
23/02 - Coritiba viaja a Guanabara para enfrentar o Flamengo. Na partida anterior entre ambos, vencida pelo time paranaense, o atleta carioca Paulo César Caju afirmou: "Não me conformo de perder para esse timinho. Ainda haveremos de nos encontrar". Talvez prevendo o que aconteceria, Paulo César foi expulso na partida com o Bahia e não pode enfrentar o alviverde.
25/02 - Coritiba x Flamengo (no Rio de Janeiro)
25/02 - CORITIBA 1 X 0 FLAMENGO
Local: Maracanã - RJ
Árbitro: Sebastião Rufino
Gols: Zé Roberto aos 28' do 2º tempo
Renda: Cr$ 218.371,00 para 27.402 pagantes
CORITIBA: Jairo; Orlando, Oberdan, Cláudio e Nilo; Hidalgo (Dreyer) e Negreiros; Sérgio Roberto (Reinaldinho), Zé Roberto, Leocádio e Aladim. Treinador: Tim.
FLAMENGO: Renato; Moreira, Chiquinho, Fred e Rodrigues Neto; Liminha e Chiquinho II; Rogério, Dario, Doval e Arílson (Víctor). Treinador : Zagalo.
Detalhes:
· Vitória maiúscula, conquistada em pleno Maracanã.
· Coritiba jogou retrancado, na base de contra-ataques.
· Jairo foi o destaque coritibano.
· Reinaldinho, que substituiu Sérgio Roberto, cruzou na cabeça de Zé Roberto, que fez o gol da vitória coritibana.
· Nessa partida Zé Roberto jogava muito mal. O diretor de futebol, Luis Afonso Alves de Camargo, a todo instante pedia ao técnico Tim pela saída do atacante coxa-branca. Até que aos 28 minutos Zé Roberto marcou o gol da vitória coritibana. Tim então afirma : "Você não entende nada de futebol ! Craque a gente não tira".
02/03 - O zagueiro Pescuma é emprestado à Portuguesa até Dezembro (ele não voltou mais a vestir a camisa alviverde)
06/03 - Jornal divulga o salário padrão dos titulares da equipe: CR$ 6.000,00
11/03 - Pelo Paranaense, o Coritiba vence o Atlético por 2x0. O público de 33 mil pessoas é um dos maiores vistos no estado, até aquele momento. Como destaque, o segundo gol coxa-branca, de autoria de Aladim, de sem pulo. O "Gênio" aliás foi durante muitos anos um carrasco para o Atlético.
12/03 - Hélio Alves é contratado como novo supervisor da equipe.
14/03 - Coritiba vence o Londrina por 3x0, pelo Paranaense. Digno de nota mesmo foi o terceiro gol, de autoria de Zé Roberto. O "gazela", na pequena área e cercado por quatro adversários, fingiu que ia passar a bola para um companheiro mas tocou de calcanhar. A bola partiu forte, à meia altura, e morreu dentro das redes londrinenses. Torcida, crônica e mesmo os atletas demoram alguns segundos até perceberem o que havia ocorrido, tal a velocidade e imprevisibilidade do lance. Foi realmente um GOLAÇO!!! (Mais tarde, Zé Roberto contou que naquele jogo estava usando uma botinha de gesso, para aliviar as dores de uma contusão e por isso o chute de calcanhar saiu mais forte do que se esperava
18/03 - Após estar perdendo por 2x0 para o União, em Bandeirantes, Coritiba vira e vence o jogo para 3x2. O gol da vitória foi assinalado pelo gringo Dreyer, que acabara de renovar contrato.
20/03 - Faltando apenas uma rodada para terminar o Torneio do Povo, o Coritiba lidera com 4 pontos seguido pelo Bahia que tem 2 pontos. Um simples empate em Salvador dá o título ao clube paranaense. Caso a equipe baiana saia vencedora, o título deverá ser decidido em Curitiba.
21/03 - Coritiba x Bahia (em Salvador)
21/03 - CORITIBA 2 X 2 BAHIA
Local: Fonte Nova - Salvador
Árbitro: José Marçal Filho (RJ)
Gols: Aladim aos 24´ do 1º; Fito aos 14´ Perí aos 16´ e Hélio Pires aos 27´ do 2º tempo
Renda: Cr$ 168.607,00 para 21.975 pagantes
Expulsões: Hidalgo e Cláudio aos 16´ do 2º tempo, além do diretor de futebol, Luiz Afonso
CORITIBA: Jairo; Orlando, Oberdan, Cláudio e Nilo; Hidalgo e Negreiros (Dreyer); Leocádio (Reinaldinho), Hélio Pires, Zé Roberto e Aladim. Treinador: Tim.
BAHIA: Zé Luís; Ubaldo, Washington, Roberto e Romero; Baiaco e Fito; Natal, Douglas, Picolé (João Daniel) e Perí. Treinador : Evaristo de Macedo.
Detalhes:
· O Coritiba saiu ganhando com um golaço de Aladim, de fora da área. O Bahia empatou de pênalti e virou para 2x1, em um lance discutível. Por reclamação, Hidalgo e Cláudio acabaram expulsos e o time alviverde jogou 30 minutos com dois atletas a menos.
· A expulsão de Hidalgo, que tentou agredir o árbitro, foi a única em toda sua carreira.
· Quando o estrategista Tim bolava uma tática pouco convencional, ele dizia ter criado uma "Arataca". Depois da expulsão dos dois atletas paranaenses, Tim bolou: "Vamos deixar o Hélio Pires enfiado no meio dos dois zagueiros, segurando ambos, para ganhar um homem. O Zé Roberto cai totalmente aberto pela esquerda, e fica cruzando bola para ele, entre os dois zagueiros. Vou trocar os meias ofensivos por volantes, para recompor minha defesa. E a ordem para o time é: toda e qualquer bola que a defesa ou o meio pegarem, devem lançar rapidamente para o Zé Roberto".
· O gol de empate Coxa, o do título, é digno de nota: Zé Roberto lançou na medida Hélio Pires, no meio dos dois zagueiros. Um torcedor baiano (Antônio Sá Teles) apitou das arquibancadas e a defesa do Bahia parou, pensando ter o juiz marcado impedimento. Dreyer gritou "Chuta logooo...". Nosso atacante prosseguiu e empatou o jogo.
· Reparou ? Entre o segundo tento baiano e o gol do título se passou apenas ONZE MINUTOS. Ou seja, a "arataca" criada por Tim foi altamente eficiente.
· Quando o árbitro deu a partida por encerrada, os jogadores do Coritiba correram para comemorar a conquista no vestiário. Os dirigentes baianos pressionaram o juiz, por não ter dado descontos, decorrentes da confusão ocorrida na expulsão dos jogadores coritibanos. Os atletas foram então obrigados a voltar ao gramado para jogar mais três minutos.
· No final da transmissão da TV, os comentaristas baianos acusaram o Coritiba de ter sido o último time brasileiro a incluir um jogador negro nas suas fileiras (em determinação à Lei Afonso Arinos, de 1951). Na verdade, os atletas negros Janguinho e Bananeiro envergaram a camisa alviverde dez anos antes da lei vigorar.
Com apenas nove atletas em campo e em território inimigo, o Coritiba conquistava assim o primeiro título brasileiro de uma equipe paranaense.
Fotos da Festa: